indicacao-midas
OFICINA MIDAS MAIS PRÓXIMA:

Mitos sobre automóveis: saiba o que é verdade e mentira

Carros via rápida

 

É verdade que não precisa de fazer a revisão do carro se circular pouco? Não pode circular sem os dois médios? Os pneus novos devem ficar à frente ou atrás? O selo da inspeção tem de ficar no para-brisas?

Há mitos e dicas que ouvimos durante toda a vida, mas nem todos são verdade. Foi por isso que as Oficinas MIDAS e a GALP se juntaram para responder ao que sempre quis saber, mas nem sempre teve coragem de perguntar.

 

 

Ainda assim, é difícil explicar tudo em apenas 2 minutos. Se ainda lhe restam algumas dúvidas, fique connosco. Não queremos deixar nada por dizer!

 

Não preciso de fazer a revisão do carro se circular poucos quilómetros por ano

Mentira! Deve fazer sempre a revisão do seu carro, mesmo que circule pouco. O motivo é simples: ainda que não faça um uso intensivo do seu carro, alguns componentes vão apresentar desgaste. Um bom exemplo é o óleo, que deve ser mudado (no máximo!) a cada 2 anos.

 

Velocímetro

 

Há ainda outros componentes que se degradam com o tempo, independentemente do uso que faz do carro, tais como:

  • peças com prazos de validade, incluindo airbags (nos carros anteriores a 2005);

  • filtros, incluindo os filtros de ar do habitáculo;

  • correias de distribuição;

  • escovas limpa-vidros;

  • plásticos do tablier;

  • extintores, no caso de ter extintor no carro (obrigatório em alguns países Europeus, como Espanha ou Alemanha);

  • bateria, que também pode ficar “viciada”, tal como acontece com os nossos telemóveis e computadores. Convém trocá-la, em média, a cada 2-4 anos.

 

Finalmente, a própria borracha dos pneus começa a perder propriedades ao fim de 5 anos, mesmo que nunca tenha tirado o carro da garagem! Como se costuma dizer… nada é eterno.


 

É obrigatório ter pelo menos um médio e dois mínimos a funcionar

Verdade! As luzes dos carros são um dos temas que gera mais dúvidas entre os condutores. Não é difícil perceber porquê: temos as luzes de presença (“mínimos”), luzes de cruzamento (“médios”), as luzes de estrada (“máximos”), os indicadores de mudança de direção (“piscas”), luzes de travão, luzes de sinalização, luzes de nevoeiro e luzes de chapa (na matrícula)! É mesmo preciso que estejam todas a funcionar para circular?

Felizmente, não. Mas é proibido o trânsito de automóveis com avaria nas luzes médias e sem as luzes de presença (os mínimos) a funcionar. Para circular na estrada, deve ter a funcionar, pelo menos:

  • dois médios ou o médio do lado esquerdo e os dois mínimos à frente + um indicador de presença (mínimo) no lado esquerdo e uma das luzes de travagem, quando obrigatória à retaguarda;

  • luzes avisadoras de perigo (ou seja, os 4 piscas ligados), para transitarem pelo tempo necessário até chegar a um local seguro de paragem ou estacionamento.

 

Farol carro

 

O que acontece se as luzes do carro avariarem na auto-estrada?

Se as luzes do carro avariarem na autoestrada, deve sair imediatamente da faixa de rodagem. Se cumprir a primeira condição descrita acima, ou seja, se tiver dois médios, ou o médio do lado esquerdo com os dois mínimos à frente, mais um indicador de presença no lado esquerdo e uma das luzes de travagem à retaguarda, pode circular até à área de serviço ou saída mais próxima.

 

 

É aconselhável colocar pneus novos no eixo traseiro

Verdade! Se não vai trocar os 4 pneus, mas sim apenas 2, deve colocar os pneus novos no eixo traseiro e os pneus “velhos” na dianteira, desde que estejam em boas condições. Isto é válido para qualquer carro, quer tenha tração traseira, dianteira ou conjunta. Mas apesar de esta ser a prática recomendada, não é a mais intuitiva.

Como os pneus da dianteira se desgastam mais, muitos condutores seguem o instinto de colocar os pneus novos à frente. Por outro lado, o condutor sente o carro mais “firme” com os pneus novos. Então porquê colocar os pneus velhos à frente? Porque os pneus velhos não conseguem manter a trajetória do carro, especialmente em zonas com água, neve ou gelo, em que o carro desliza.  

 

Dica extra para aumentar a vida útil dos pneus:

É verdade que os pneus dianteiros têm mais desgaste do que os traseiros. Para equilibrar o desgaste e compensar este desequilíbrio, troque-os de posição a cada 10.000 km. Saiba mais sobre os pneus do seu carro.


 

O selo do seguro e o selo da inspeção devem estar afixados no para-brisas

Verdade… e mentira! É verdade que é obrigatório ter o selo do seguro visível, afixado no para-brisas do carro. Mas não é necessário ter o selo da inspeção (IPO - Inspeção Periódica Obrigatória) colocado no vidro do carro.

No entanto, o selo da inspeção era obrigatório até 2012 - daí a origem do mito. Depois, o selo foi substituído pela ficha da inspeção no carro. Caso não tenha a ficha consigo no veículo, arrisca-se a pagar uma coima entre 60€ e 300€. A exceção são os carros novos, pois a primeira inspeção faz-se apenas aos 4 anos.

 

Quando deve levar o seu carro à inspeção?

Nos veículos ligeiros de passageiros, a primeira inspeção ocorre aos 4 anos (contados a partir da data da matrícula). Depois deve ser feita quando o carro completar 6 e 8 anos. A partir daí, passa a ser anual, até ao dia e mês do registo da matrícula. Na ficha de inspeção devem aparecer todas as anomalias detetadas na inspeção, classificadas de 1 (menos graves) até 3 (muito graves).

Nos veículos ligeiros de mercadorias, a primeira inspeção ocorre ao fim de 2 anos e depois é anual.

No caso dos veículos ligeiros usados para transporte público de passageiros, ambulâncias, transporte escolar, instrução e pesados de passageiros a primeira inspeção é após 1 ano. De seguida, é exigida uma inspeção anual até ao 7º ano e, a partir do 8.º ano, é semestral.

 

Marque aqui a Inspeção do Carro com o respetivo check-up prévio!

 

 

É obrigatório ter no meu carro a carta de condução e o documento único automóvel

Verdade! Mas não bastam a carta de condução e o documento único automóvel. Quando conduz, deve ter sempre consigo:

  • Documento de identificação, que pode ser o Cartão de Cidadão ou o Passaporte;

  • Carta de Condução Portuguesa ou Europeia (se tiver uma carta de condução de um país terceiro e está de férias em Portugal, deve solicitar uma Licença Internacional no país de origem. Caso esteja a residir em Portugal, deve pedir a troca da carta 185 dias úteis depois de se fixar no país);

  • Certificado de Seguro Automóvel;

  • Documento Único Automóvel (pode fazer o pedido online);

  • Ficha de Inspeção Periódica.

 

Um carro de caixa automática é menos económico e a condução é mais perigosa que um carro de caixa normal

Mentira! É difícil aceitar que as máquinas podem ser melhores do que nós. Durante muito tempo, achávamos que a inteligência artificial nunca nos ia ultrapassar… Mas isso caiu por terra quando um programa de computador venceu o famoso campeão de xadrez Kasparov, não foi? Os computadores processam a informação mais rápido do que nós, e portanto os carros automáticos têm reflexos mais rápidos do que qualquer condutor.

Além disso, tal como no programa que venceu Kasparov, conseguem ter em consideração diversas variáveis e cenários. Isto significa que um carro automático está programado para escolher a opção mais segura em qualquer circunstância. Portanto, mesmo que seja um excelente condutor - e não estamos a duvidar disso! - o carro automático torna-se mais seguro no sentido em que prevê (através de luzes avisadoras) e evita alguns problemas do carro.

Quanto ao combustível, também não passa de um mito. Os carros atuais estão programados para pouparem o máximo possível. Não só porque é mais barato, mas também porque é mais ecológico. Ou seja, acontece exatamente o oposto: poupa em combustível! Mas anime-se, porque isto não é uma competição entre si e o seu carro. Afinal de contas, juraram estar juntos até que o motor vos separe.

Data de criação: 04 . 06 . 2019 |
Data de actualização: 19 . 06 . 2019

Autor: Sara Anjos